200 projetos das periferias de São Paulo são selecionados para o CURTA EM CASA

Foram publicados os nomes dos autores de 200 projetos selecionados para o CURTA EM CASA, que teve quase mil inscritos. Voltado para as periferias de São Paulo e realizado em parceria com o Instituto Criar e a Spcine, este projeto visa beneficiar os profissionais mais vulneráveis da indústria audiovisual.

Agora, os selecionados vão receber uma bolsa de R$ 3 mil e participar de uma jornada de formação para desenvolver um curta-metragem de até seis minutos, filmado inteiramente em casa, que tenha a pandemia como pano de fundo.

Os 10 melhores filmes, eleitos por júri popular, vão integrar uma sessão especial no 31º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo, além de receber mentoria de talentos do Projeto Paradiso.

O melhor curta-metragem, escolhido por um júri especializado, receberá uma bolsa de R$ 10 mil em formação e passará a integrar a Rede de Talentos Paradiso.

Em meio a tantas histórias, ideias e pontos de vista diferentes sobre o cenário da pandemia, pesaram na decisão critérios criativos, de originalidade, socioeconômicos e a trajetória dos proponentes dentro do audiovisual, além do rigoroso cumprimento das regras de inscrição.

Entre os 200 selecionados, encontramos perfis variados e uma grande diversidade. Do total, 70% são pretos e pardos, 79% vivem com renda pessoal de até R$ 1.200 e 69% vivem em bairros com IDH inferior a 0,8.